Consumo e destinação dos resíduos sólidos

É cada vez maior o consumo de bens e serviços pela população e consequentemente há também aumento da geração de resíduos sólidos (lixo). Assim, para que o meio ambiente em que vivemos seja sustentável (uma premissa importante da nova era) é necessário o gerenciamento e destinação correta destes resíduos; devemos ter em mente que é preciso reutilizar, reciclar e reaproveitar os resíduos (ou pelo menos os que são passíveis deste processo). Diante disso, o conceito de logística reversa é de suma importância, seja vinculada a políticas públicas ou industriais/empresariais (eCycle). 

A logística reversa está também associada a outro importante conceito: a economia circular. De acordo com eCycle, ao retornar o resíduo para o ciclo produtivo o material deixa de ser resíduo e pode se tornar matéria-prima de outros produtos. Estes dois conceitos quando aplicados juntos podem minimizar os impactos ambientais ocasionados pela má destinação ou gerenciamento dos resíduos sólidos. 

 

O que é logística reversa?

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PRNRS) – Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010, e seu regulamento - Decreto Nº 7.404 de 23 de dezembro de 2010, inclui a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos e a logística reversa. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente “nos termos da PNRS, a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos é o conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos, nos termos desta Lei".

A logística reversa é uma ferramenta de desenvolvimento econômico e social distinguido por um conjunto de ações, procedimentos e meios designados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo, ou outra destinação final que seja ambientalmente adequada (PNRS).

Logística reversa na construção civil

 

De acordo com Fonseca & Uchoa (2016) o setor de construção civil é um dos que mais impactam o meio ambiente devido a quantidade de matéria-prima utilizada, excesso de barulho e resíduos gerados. De acordo com Mapa da Obra construtoras têm papel significativo para diminuir os problemas relacionados com resíduos e podem ainda tornar esse processo rentável.

Com a indústria 4.0 e os avanços do setor industrial, a construção civil tem sentido que é preciso maior atenção e aplicação de processos sustentáveis, por isso, a destinação correta de resíduos da construção civil é necessária e urgente (Mapa da Obra). A logística reversa tem se mostrado uma solução viável no campo da construção civil e se torna um grande diferencial para o setor empresarial.

Leite (2003) diz que para que a logística reversa funcione é preciso que haja planejamento e gerenciamento dos fluxos diretos e reversos, além de gestão e controle de normas técnicas tanto por parte da empresa como de seus fornecedores. 

Fonseca & Uchoa (2016) classifica a logística reversa em duas categorias: suprimentos – fornecimento de recursos materiais e profissionais de mercado para a construção civil, e a de canteiro – atividades relacionadas à gestão e planejamento dos fluxos ligados à execução dos serviços.

Esta última categoria pode trazer muitos benefícios, como por exemplo redução do consumo de matéria-prima, do desperdício de materiais e adicionalmente aumenta o tempo produtivo e melhora a disposição dos trabalhadores (MANZUR, 2015).

A Hidroplan realiza trabalhos relacionados à logística reversa na construção civil e por ser uma empresa preocupada com um meio ambiente sustentável traz sempre em seus trabalhos este cuidado. Entre em contato.